Publicações

Doce do Momento: "Someday Soon" de Laura Ward





Para variar um pouco decidi pegar neste ebook cedido pelo NetGalley.

Uma tentação de dar água na boca ...Tudo o que Daisy Goldsmith quer é sair da sua pequena cidade, deixando para trás os valentões que a provocaram. Frequentar a escola de culinária em Nova York sempre foi o seu maior sonho - um sonho que ela não tem confiança suficiente para seguir. Afinal, ela não é nada além de uma "vaca gorda". Mas quando o melhor amigo do seu irmão, o homem que sempre esteve no seu coração secretamente, volta para a cidade depois da faculdade, tudo muda para Daisy.
Uma mordiscada deliciosa ...A casa de Goldsmith sempre foi o santuário de Jon Roberts da loucura da sua vida. Com uma família quebrada e disfuncional, Jon abraça os
Goldsmith como seus. Depois de ter um vislumbre real da mulher que Daisy se tornou, Jon está dividido entre a sua lealdade à família e o seu desejo pela irmã mais nova do seu melhor amigo.
Uma mordida deliciosa ...Como Daisy e Jon passam mais tempo juntos, eles não podem resistir à atracção entre eles. Uma vez que eles tenham um gosto, nada pode mantê-los separados - nem seus sonhos, suas famílias ou a diferença de idade. Pode algum dia virar para sempre ou eles vão "morder" mais do que eles podem lidar?

A Sair do Forno: ''Pedido de Amizade'' de Laura Marshall




Um pedido de amizade no Facebook?
É a coisa mais normal do mundo. Certo?
Maria Weston morreu durante a sua festa de finalistas do liceu. Era uma rapariga irreverente, autêntica e tinha a vida pela frente? O corpo nunca foi encontrado. Portanto, quando Louise Williams, 25 anos depois, recebe o seu pedido de amizade no Facebook, entra em pânico.
Depois do pedido, começam a chegar as mensagens. Inicialmente, parecem inofensivas. Memórias de um passado que Louise não quer relembrar, mas apenas isso.
Depois, começam a ser cada vez mais detalhadas, e as recordações aproximam-se perigosamente de um segredo que nunca deverá ser revelado. Louise nem imagina o que aconteceria se todos soubessem o que realmente aconteceu a Maria.
Mas, afinal, é apenas o Facebook, certo? Mesmo quando Louise sente alguém a segui-la no metro. É tudo virtual, não é? Até quando há objetos a desaparecer de casa. O que se passa nas redes sociais não é a vida real, certo?
Certo?

Sai dia 4 de Junho! 

Pilha Cerebral: ''Pilha para fora de casa''





Esta é a pilha de livros que vou tentar pôr fora de casa. Isto de combinar uma viagem à última da hora durante a época alta fez com que olhasse bem para a minha conta no banco. Portanto vamos lá tentar ganhar um dinheirinho...pode ser que dê para comer um menu no McDonalds em Londres... :P 

A Sair do Forno: "Casamento Efémero" de Candace Camp


Uma autora que conhecemos dos livros de bolso da Harlequin mas que agora vai sair pelo forno da Quinta Essência em tamanho normal.
James de Vere sabe que não lhe resta muito tempo de vida. Pelo menos é o que lhe dizem os médicos londrinos. Como é um homem pragmático e racional, decide regressar a Grace Hill, o seu lar. Se o médico de lá não o puder ajudar, tratará de pôr a vida em ordem e aguardar o pior…
Porém, ao chegar a casa do médico, James constata que ele acabou de falecer, deixando uma filha na penúria. James e Laura já se conhecem, mas as recordações do passado não são as melhores… Numa inspiração momentânea, James faz-lhe uma proposta arrojada: estará ela disposta a casar com ele? Ele salvá-la-ia da miséria, ela evitaria que a fortuna dele fosse parar às garras da sua família gananciosa. O casamento solucionaria os problemas de ambos…
E, curiosamente, Laura… aceita! É que ela é também uma mulher pragmática, e não tem quaisquer esperanças de vir a encontrar o amor. Mas, à medida que os dois vão enfrentando as desconfianças da família de James, percebem que têm mais em comum do que imaginavam… e dão por si a ansiar que o tempo pare… e que “a morte os separe” num futuro bem longínquo.
Candace Camp tem já uma legião de fãs a nível internacional, e estreia-se agora no nosso país. Casamento Efémero reúne o melhor que o romance histórico tem para oferecer…

A Sair do Forno: "Sarilhos com Duques" de Grace Burrowes



Depois dos Duques de Sussex se casarem, aqui sai mais um romance histórico para nos apaixonarmos. O primeiro de 4.

Dizem as más línguas que o novo duque de Murdoch, Hamish McHugh, é um brutamontes e um assassino. E pior do que isso… escocês!!! Seria impensável deixá-lo sozinho com uma mulher de bem. Mas Meghan Windham consegue detetar em Hamish algo especial…
No campo de batalha não havia guerreiro mais feroz do que ele. Mas o palco de guerra agora é bem diferente: a temporada social londrina! Mas Hamish é capaz de tudo para agradar às suas irmãs… até mesmo ter aulas de dança com a jovem Miss Windham. E embora ela não se deixe intimidar pelo temperamento dele, Hamish pressente que também Meghan trava uma luta…
Por ela, Hamish está disposto a pegar em armas mais uma vez…
Por ela, é bem capaz de perder o coração…
Sarilhos com Duques apresenta-nos a belíssima série Noivas da Regência - bem como a talentosa Grace Burrowes, que depressa se tornará uma preferida dos nossos leitores…

A Sair do Forno: "O Gene da Atlântida" de A.G: Riddle



Para os amantes de thrillers.
Em Junho.

Há 70 mil anos, a erupção de um supervulcão na Indonésia quase levou a raça humana à extinção. Sobrevivemos, mas nunca ninguém percebeu como, nem porquê. Até agora.
Os Immari, uma sociedade secreta de contornos maçónicos, guardam o segredo há dois mil anos. E desde então têm feito de tudo para evitar que seja revelado. Até que, na costa da Antártida, a erosão de um iceberg revela um submarino nazi há muito desaparecido – acoplado a uma estrutura que não devia, nem podia, estar ali. A milhares de quilómetros, num laboratório em Jacarta, a brilhante investigadora Dra. Kate Warner acredita ter descoberto finalmente a cura para o autismo. Mal sabe ela, porém, que duas das crianças que acompanha, e que revelam um comportamento invulgar, podem esconder a chave para a compreensão das origens da nossa espécie. E não imagina que as suas experiências estão a ser seguidas de muito perto pelos Immari.
David Vale, um agente que há anos vigia a perigosa seita dos Immari, percebe entretanto que algo de estranho está a acontecer. Os serviços secretos onde trabalha estão sob ataque, sucedem-se as mortes, e ele é o próximo alvo a abater. E sabe que apenas uma pessoa no mundo o pode ajudar a solucionar o enigma: a Dra. Kate Cooper.
Juntos irão envolver-se numa intriga internacional, que os levará a percorrer meio mundo, dos cumes gelados do Tibete ao calor asfixiante da Indonésia, numa corrida contra o tempo, em que está em jogo a sobrevivência da raça humana.

A Sair do Forno: "O Homem Que Não Ligou" de Rosie Walsh



Um suspense da ASA a sair agora em Junho.

Imagine que conhece um homem e se apaixona loucamente. E é recíproco. São almas gémeas. E um dia ele desaparece sem deixar rasto.
É o que acontece a Sarah. O seu primeiro encontro com Eddie é acidental mas tão intenso que não voltam a separar-se durante sete dias. São dias mágicos em que partilham tudo e se dão a conhecer sem reservas. Sabem que o que sentem um pelo outro é profundo e verdadeiro. Até que ele parte numa viagem breve. Promete telefonar. Mas não telefona. Nunca mais.
Passam-se semanas, meses… e a preocupação de Sarah intensifica-se. Não acredita nos amigos, que tentam convencê-la a esquecê-lo. Afinal, dizem, ela não é a primeira pessoa (nem a última) a ser ignorada por um amante. O melhor, garantem, é seguir em frente e não pensar mais no assunto. Mas ela não é capaz. Pois sabe – e sabe, com toda a certeza – que algo de terrível aconteceu.
E um dia descobre que, afinal, tinha razão.

Compilação: "A Chama Dentro de Nós", O Silêncio das Águas" e "A Força que nos Atrai" de Brittainy C. Cherry


Brittainy C. Cherry está no top das minhas escritoras preferidas. Depois de ler O Ar Que Ele Respira, depois de ter chorado baba e ranho de uma ponta a outra deste livro (ao ponto de não lhe ter pegado mais apesar da vontade de reviver semelhante leitura), fiquei fã e em Abril decidi ler o resto da saga. Continuo a achar que esta escritora tem um dom de escrever tudo directamente para o meu coração como poucas escritoras conseguem e apesar de não ter chorado nos três seguintes, nem de ter dado a classificação máxima ao último, continuo a adorá-la e logo que possa vou pegar nos outros romances dela.


A série chama-se Elementos e em cada um há um elemento predominante tal como os títulos indicam.
Cada história é completamente independente das anteriores ou seguintes (apesar do que disse na opinião do primeiro) e por isso se lerem e trocarem não se preocupem, de qualquer forma dependendo das histórias, vamos nos apaixonar de maneiras diferentes e adorar cada livro de forma e quantidade diferente. Para além do primeiro que foi o melhor de todos, até do ano, adorei a história de Maggie e Brooks em O Silêncio das Águas. Acho mesmo que não é qualquer escritor que pegaria nesta história e a tornaria tão forte e emocionante. Já li estes livros há mais de um mês, e ainda agora, quando recordo para escrever esta opinião sinto o coração a apertar, quase sufocante, quando relembro esta história em particular.
Não vou contar a história nem resumi-la, primeiro porque raramente o faço nas minhas opiniões e segundo porque as sinopses têm o suficiente para estarem minimamente enquadrados para poderem começar a ler, com a minha promessa adicional que vão adorar garantidamente.
Tenho muita pena que esta série ainda não tenha sido publicada cá em Portugal.
Voltando ao terceiro volume, temos várias personagens que nos conquistam, mesmo as mais ariscas. Temos acontecimentos iniciais que nos vão mudar tal como à personagem principal, e temos decisões desta que nos fazem questionar constantemente o que faríamos no seu lugar. Temos música, temos livros e livros, páginas com citações e letras, tudo misturado e respectivo a cada personagem. E o que mais gostamos desta vida sem ser ler e ouvir música? Ingredientes perfeitos que podem ter influenciado a minha tão boa opinião.
Nesta história acompanhamos os personagens por muito tempo e portanto a ligação é grande, não só devido ao trigger da história como a esta amizade que prevalece acima de tudo.
Gostei do pai de Maggie e gostei de como Brittainy nos faz mudar constantemente de opinião em relação à sua madrasta. Odiei, obviamente, as amigas desta última e por isso, adorei ainda mais o pai de Maggie. Em relação à sua irmã, acho que nunca a detestei completamente mas adorei no que ela se transformou e no que, mais uma vez, a transformou.
Ambos os personagens principais são óptimos modelos a seguir, com excelentes vibrações e muito amor e bondade nos seus corações. Dá gosto ler algo assim, em que estas emoções prevalecem acima de tudo e nos mostram que o bem vence sempre apesar daqueles dias mais negros.
O fim, já foi o que se esperava, mas o facto de uma terceira personagem estar envolvida foi surpreendente. Só achei que foi demasiado rápido.
Em A Força que nos Atrai a história já é mais calma, com o tema principal do abandono maternal em que, como diz a sinopse, a mulher de Graham o abandona juntamente com a filha prematura. No inicio não senti empatia nenhuma com Graham, porque apesar de tudo ele é muito parecido com a esposa e a autora descreve-nos tudo muito friamente, sem grande amor ou amizade, apenas a vida de duas pessoas de sucesso que se poderem vão viver assim, quase separados, para sempre. Mas surge uma gravidez indesejada mas que vai se elevada até ao fim, cheia de tensão e conflitos que irão preencher bastantes capítulos. Só quando finalmente a criança nasce e pai e filha são deixados sozinhos é que a verdadeira história surge.
Aqui começa também o drama e o começo da atracção entre pai e tia da criança, com um grande mau humor da parte do primeiro que nos faz perguntar como é que a doce Lucy o atura. Adoro o facto dela ser florista, mas também detestei a colega dela. O facto dele ser uma escritor famoso com problemas parentais também achei meio cliché e, juntamente com uma história que não teve a carga emocional do primeiro e terceiro volume, acabei por não ficar tão encantada. Claro que a escritora nos envolve naquele mundo moderno, nos dá sentimentos fortes e excelentes diálogos e acontecimentos marcantes e por isso a pontuação e a satisfação não baixou em nada.
Finalmente, o segundo volume, também se traduziu num romance mais simples, sempre com duas personagens principais com os seus próprios problemas e que têm que lutar contra os obstáculos pessoais e como casal. Têm muito com que lutar.
Aqui encontrei o elemento bastante marcado do fogo, que foi quando comecei a ter consciência que Brittainy C. Cherry não deixa nada por acaso. É uma autora à altura de Dorothy Koomson ou de Colleen Hoover ou até de Jodi Picoult, mas ao contrário desta última, esta não usa doenças para nos partir o coração e sim pessoas bastante reais com os seus próprios demónios.
A Chama Dentro de Nós foi um volume tão marcante para mim como os outros. Logan é um personagem masculino bastante maltratado mas que também acaba por maltratar os outros em redor. Não gostei muito dele nesse aspecto, mas como acaba por contrabalançar a querida Alyssa torna-se este romance bastante agridoce. Mais uma vez vão haver várias reviravoltas e o casal vai-se manter afastado tempo demasiado devido a um acontecimento muito marcantes e inesquecível. A temática principal é a droga, mas há também a comida e uma amizade muito forte que começou com boas acções e que se arrasta bastante até que os dois se entendam e comece o verdadeiro romance.  Mas antes deste há uma enorme loca principalmente por causa de Logan, em que sofremos tanto por ambos, mas mais por Alyssa, já que são as mensagens dela que não nos deixam esquecer o que aconteceu. Aqui também começamos a conhecer melhor Kellan, irmão de Logan, que eu adorei também. Adorava ler um romance só dele.
A autora recheou bastante bem este volume com momentos românticos e fofos, que nos fazem suspirar por este bad boy de olhos cor de caramelo derretido. É quase palpável o quanto estes personagens se amam, mas muitas vezes o amor não é suficiente para combater os demónios, neste caso de Lo.
Brittainy tem um dom, e o dom dela é descrever estas cenas que nos partem o coração, depois ela torna-se um pouco sádica, e durante capítulos continua e continua a relembrar, a prolongar o sofrimento, que foi o que aconteceu neste volume.
Apesar disto tudo, alguns pontos não são originais e já li outras histórias com acontecimentos semelhantes. Mas a escrita é perfeita e transforma cenas já vistas em vicio na mesma.

Logan Silverstone e Alyssa Walters não têm nada em comum. Ele passa os dias contando centavos para pagar o aluguel, sofrendo com a rejeição dos pais e tentando encontrar um rumo para sua vida caótica. Ela, por outro lado, parece ter um futuro brilhante pela frente. Um dia, porém, um simples gesto dá origem a uma improvável amizade.

Ao longo dos anos, o sentimento que os une se transforma em algo até então desconhecido para os dois. Alyssa e Logan não conseguem resistir à atracção que sempre sentiram um pelo outro e finalmente descobrem o amor. Mas uma tragédia promete separá-los para sempre. Ou pelo menos é isso que eles pensam.


Quando a pequena Maggie May presencia uma cena terrível à margem de um rio, sua vida muda por completo. A menina alegre que vive saltitando de um lado para o outro e tem uma paixonite por Brooks Griffin, o melhor amigo de seu irmão, sofre um trauma tão grande que acaba perdendo a voz. Sem saber como lidar com o problema, sua família se vê em uma posição difícil e tenta procurar ajuda, mas nenhum tratamento vai adiante. Ao longo dos anos, Maggie aprende sozinha a conviver com os ataques de pânico e, sem conseguir sair de casa, encontra refúgio nos livros. A única pessoa capaz de compreendê-la é Brooks, que permanece sempre ao seu lado. A cumplicidade na infância se transforma em amizade na adolescência, até que um dia eles não conseguem mais negar o amor que sentem um pelo outro. Mas será que o forte sentimento que os une poderá resistir aos fantasmas do passado e a um acontecimento inesperado, que os forçará a navegar por caminhos diferentes?


Graham e Lucy não foram feitos um para o outro. Mas é impossível resistir à atracção que os une.

Graham Russel é um escritor atormentado, com o coração fechado para o mundo. Casado com Jane, um relacionamento sem amor, ele vê sua vida virar de cabeça para baixo quando Talon, sua filha, nasce prematura e corre risco de morte. Abandonado pela esposa, ele agora precisa abrir seu frio coração para o desafio de ser pai solteiro. A única pessoa que se oferece para ajudá-lo é Lucy, a irmã quase desconhecida de Jane. Apaixonada pela vida, falante e intensa, ela é o completo oposto de Graham. Os cuidados com a bebé acabam aproximando os dois, e Lucy aos poucos consegue derreter o gelo no coração de Graham. Juntos, eles descobrirão o amor, mas os fantasmas do passado podem pôr tudo a perder.

 

Opinião Contemporânea: "Quando Tu Voltaste" de Maria Realf


Graças à Editora Planeta, este único livro de Maria Realf chegou à metade Coimbrinha do ADPOC, personalizado o que vale um agradecimento a dobrar.

Foi lido meio em páginas de papel, meio em páginas digitais, mas o interesse literário foi o mesmo e sempre com o mesmo ritmo. Houve umas pequenas trocas de palavras e nomes como "Alex" por "Lizzie"; a dama de honor ir à frente para ajudar com a cauda do vestido (?), mas fora isso foi uma leitura sem grandes contratempos.

Principalmente achei que é uma escrita um pouco imatura que com o avançar vai ficando cada vez menos significante, ou porque a autora melhorou ou porque o interesse pela leitura foi maior do que por esses pormenores de escrita. É uma história muito simples, com simples personagens e muito drama à mistura. Não há vilões nem heroínas, há sim uma história de amor igual à de muitos casais.

Gostei bastante que houvessem duas realidades temporais, passado e presente, e o facto de ter conseguido manter tanta informação crucial em suspense em ambos os tempos. Gostei bastante mais do passado de Lizzie e Alex, mas a cena do restaurante pareceu-me algo rebuscado, ou mais uma vez descrita de forma muito simples e "verde", não conseguindo aí sentir algo mais do que uma simples e recente amizade, e não um amor para toda a vida.

Gostei da razão que a autora escolheu para separar este casal e outras referências que depois vamos encontrando na parte do presente relativas a este acontecimentos. Aqui já se notou que a história foi um pouco mais pensada.

Gostei de Megan, uma das personagens secundárias e melhor amiga de Lizzie, que representou e  simbolizou perfeitamente a amizade e a sinceridade.

Gostei do facto da autora ter inserido vários tipos de luto, e apesar de não ter torcido por Alex, depois de saber a razão e de Lizzie ter passado pelo mesmo, tudo mudou, para mim como leitora e para a personagem principal. A questão de Alex foi um golpe bastante baixo, mas fácil, da parte da escritora. Não me sensibilizou particularmente, apenas me fez lembrar outros livros como o de Jojo Moyes, Viver Depois de Ti.

Foi óbvio Josh ser um personagem menos atractivo e logo aí nunca nos sentimos empáticas com ele. Existe uma cena em que Maria Realf nos descreve Josh e certas atitudes que quebram qualquer ligação que tenhamos sentido entre o casal.

O casamento foi um dos tópicos principais dos capítulos do presente, mas achei que foi demasiado sobrevalorizado, já que acaba por se repetir os muitos sentimentos e dúvidas da personagem, para depois terminar como já estávamos mais que à espera. Este aspecto de prevermos tão facilmente o que irá acontecer a seguir foi balançado por algumas reviravoltas, como já falei, que no final do livro nos fazem ter dúvidas sobre o que predominou mais, os factos mais ou os menos positivos. No meu caso fiquei pelo meio. Não adorei ao ponto de ter terminado o livro com aquele aperto no coração e satisfeita, com desejos de ler mais e conhecer mais da autora, mas também não detestei.

Recomendado às mais românticas e com muitas lágrimas emotivas por deitar.

Lizzie Sparkles devia ser a rapariga mais feliz do mundo... está a três meses de se casar com quem acha ser o Tal, no casamento dos seus sonhos! Passou os últimos três meses em êxtase. Mas, um fim-de-semana quando está a experimentar o vestido de noiva recebe notícias perturbadoras: o amor do passado regressa à sua vida como uma bomba! Depressa percebe que estas notícias ameaçam atrapalhar e eliminar os seus planos tão cuidadosamente elaborados.
O regresso inesperado de Alex muda tudo e Lizzie enfrenta um dilema impossível. Como poderá esquecer o passado, quando se depara com ele... e lhe pede mais uma oportunidade? E é forçada a fazer uma escolha que mudará a sua vida para sempre.

A Sair do Forno: "Sem ti não há verão" de Jenny Han


Sempre achei que passaria ali todos os verões da minha vida. A casa de verão era o único lugar onde eu queria estar, o único lugar onde eu alguma vez quis estar.»
Todos os anos, Belly costuma contar os dias que faltam para o verão, e só pensa em regressar à casa de praia para estar novamente com Conrad e Jeremiah. Contudo, a amizade que sempre uniu os três jovens parece estar a desmoronar-se e tudo parece diferente.
Até ao dia em que Jeremiah conta a Belly que Conrad desapareceu, e lhe pede ajuda para o encontrar. Belly fará de tudo para descobrir onde está o amigo. Mas isso só será possível se regressarem à casa de praia. Voltará tudo a ser como dantes ou estará esta amizade num ponto sem retorno?
Uma história intensa sobre o amor e a forma como ele nos ajuda a trilhar o nosso caminho.Sempre achei que passaria ali todos os verões da minha vida. A casa de verão era o único lugar onde eu queria estar, o único lugar onde eu alguma vez quis estar.»
Todos os anos, Belly costuma contar os dias que faltam para o verão, e só pensa em regressar à casa de praia para estar novamente com Conrad e Jeremiah. Contudo, a amizade que sempre uniu os três jovens parece estar a desmoronar-se e tudo parece diferente.
Até ao dia em que Jeremiah conta a Belly que Conrad desapareceu, e lhe pede ajuda para o encontrar. Belly fará de tudo para descobrir onde está o amigo. Mas isso só será possível se regressarem à casa de praia. Voltará tudo a ser como dantes ou estará esta amizade num ponto sem retorno?
Uma história intensa sobre o amor e a forma como ele nos ajuda a trilhar o nosso caminho.

 Sai dia 4 de Junho! 

Doce do Momento: "Não Sou um Monstro" de Came Chaparro






Mais um pausado, mais um começado.

Em apenas trinta segundos a sua vida pode transformar-se num pesadelo!
Se há alguma coisa pior do que um pesadelo é que esse pesadelo se repita. e entre os nossos piores sonhos, os de todos, poucos causam mais angústia do que uma criança que desaparece sem deixar rasto.
É isso o que ocorre no início deste romance: num centro comercial, no meio do bulício de uma tarde de compras, um predador mantém-se à espreita, à coca, escolhendo a presa que está prestes a arrebatar.

Origem: ''Os Távoras'' de Maria João Fialho Gouveia


Mais uma origem histórica aqui no nosso blog.

Resultado de imagem

A Sair do Forno: "Ecos de um Crime" de Christi Daugherty


Uma mulher de cerca de trinta anos é encontrada nua, morta à facada no chão da sua cozinha. E quem a descobre é a filha de doze anos ao regressar da escola. Harper McClain, uma das jornalistas de Savannah com mais prestígio na investigação de casos de homicídio, fica a contemplar a cena terrível que tem diante dos olhos e vem-lhe à cabeça uma ideia, como um grito ouvido no silêncio da noite. Pois este é um crime idêntico ao que ela presenciou: o assassinato da mãe... Vive há quinze anos destroçada por saber que quem matou a mãe passeia livremente em liberdade. E agora, tudo indica que voltou a matar. Não deixou impressões digitais, pegadas ou vestígios de ADN. Contudo, Harper está de uma vez por todas decidida a descobrir a verdade. Só que terá de pagar um preço pela sua busca e não sabe se conseguirá chegar até esse ponto...
Em Savannah, cidade do sul com belos edifícios construídos no período anterior à Guerra Civil Americana, onde abundam os parques pitorescos e as ruas empedradas, a vida decorre tranquilamente. Mas para a jornalista criminal Harper McCain, a beleza intemporal dos monumentos que adorna a herança da sua cidade natal desaparece quando chega a noite, com a sua escuridão e os seus perigos. No entanto, ela nunca poderia viver noutro sítio, uma vez que o seu amor por Savannah não ficou sequer comprometido com o homicídio brutal da mãe, que encontrou morta em casa quando tinha doze anos.


Sai em Maio! 

Origem: ''A verdade sobre Lorde Stoneville'' de Sabrina Jeffries


Achamos que a mudança de cor foi positivo não concordam?

Opinião Suspense: ''A Mulher Inocente'' de Amy Lloyd



''A Mulher Inocente'' foi outro thriller que desde que saiu,aguçava-me o interesse. Comprei o ebook e comecei a lê-lo dias depois. 

A sinopse explica bem a premissa do livro. Dennis encontra-se preso há mais de 20 anos por um assassinato de uma jovem de Red River. Ele declara-se inocente deste crime e portanto fica conhecido quando é feito um documentário sobre ele com o objectivo de tentar desvendar a verdade.
Do outro lado temos Samantha, uma desconhecida de Dennis que após ver o documentário e conhecer o caso, acredita na inocência deste. Para além de iniciar uma campanha para ajudá-lo a sair da prisão começa a corresponder-se com Dennis através de cartas. 
39788072Os dois acabam por conhecer-se e apaixonam-se, cansando-se mesmo Dennis ainda preso (que casamento de sonho!) 

Eu não sei se foi por causa da personalidade da Samantha (chata) ou do Dennis (aborrecido) mas não consegui adorar este livro. Se gostei dele? Sim, gostei mas lá está não achei um thriller empolgante até porque quem for minimamente inteligente e ler bem a sinopse, nas entrelinhas percebe o que acontece. E foi por isso mesmo que o final não me surpreendeu e toda a enrolação (ou tentativa de suspense) foi fraca para mim. Para não falar que o final é muito apressado quando a narrativa durante o livro todo foi lenta. 

É um livro que até mostra que os nossos instintos podem estar certos, por mais cegas por amor estejamos e realmente é preciso saber confiar em nós próprias. Achei algumas atítudes da Samantha impossíveis de acreditar, quando a verdade estava mesmo à frente dela. 
Lindsay foi uma personagem que literalmente meteu-me nojo. Pelo menos nas descrições físicas a autora esteve bem, porque realmente sempre que ela aparecia em cena, dava-me arrepios. 
O título do livro está adequado à trama e logo por aqui também já percebemos onde vai a narrativs. 
É um thriller mediano, não é um dos melhores do ano mas também não é dos piores. Como leitora habitual do género, desiludiu um pouco e esperava um pouco mais mas não deixo de recomendar para quem gosta do género. 


Há vinte anos Dennis Danson foi preso pelo brutal assassínio de uma jovem na Florida, no condado de Red River.
Na actualidade é o assunto de um documentário resultante de um frenesi on-line para descobrir a verdade e libertar o homem que foi injustamente acusado.
A muitos quilómetros, em Inglaterra, Samantha é obcecada pelo caso de Dennis e começa a corresponder-se com ele. Sam depressa cai enfeitiçada pelo charme e bondade que ele tem para com ela. Decide rumar a Red River, para trabalhar na sua libertação e casar com ele.
Mas quando a campanha é bem-sucedida e Dennis é libertado, Sam começa a descobrir pormenores que sugerem que afinal ele pode não ser assim tão inocente.
Mas como confrontar o marido quando não se quer descobrir a verdade?

 

A Entrar do Forno: ''The President is Missing'' de Bill Clinton e James Patterson


35097255

O que acontece quando se junta um ex-presidente dos Estados Unidos e um autor bestseller há anos?

A resposta está no livro ''The President is Missing'' que irá ser lançado este verão e que também chegará cá ao nosso país pelas mãos da Porto Editora.

A sinopse é vaga mas deixou-nos curiosas e a vocês?


O presidente desapareceu.
O mundo ficou em estado de choque.
Mas o motivo do seu desaparecimento é muito pior do qualquer um imagina. Com detalhes secretos que só um presidente pode conhecer e com o tipo de mistério que só James Patterson é capaz de criar, surge um dos maiores thrillers dos últimos tempos.

Opinião Contemporânea: "Quase um Romance" de Megan Maxwell


No mês em que Megan Maxwell vem a Portugal visitar os seus fãs, encontrei aqui uma opinião de um dos seus livros escrita à mão por mim. O engraçado é que não sei mesmo quando o li e por isso não consigo situar-me nem completar mais esta opinião.

Mas passemos ao que eu achei:

Ao longo das páginas vamos percebendo uma certa evolução, mas no inicio as frases curtas entre os diálogos e o romance simples fazem-nos perceber que a autora não sabe como encher os espaços vazios.

De qualquer forma, todo o drama é excessivo, principalmente quando a personagem principal é ameaçada e tem que proteger tudo e todos. Sendo uma advogada, na minha opinião e perspectiva, estava à espera de outra reacção e atitude da parte dela. Mas, vendo bem, se ela não tivesse ido por aquele caminho também não haveria romance para Megan Maxwell escrever!

Gostei do protagonista masculino, apesar de ser o típico bonito, famoso, rico, pai solteiro muito competente e carinhoso.

Não gostei dos irmãos. Todas aquelas viagens foram demasiado fáceis - têm assim tanto dinheiro? Que trabalho/emprego lhes permite deixar tudo para trás a qualquer hora?

A história paralela de Carla e Samuel foi mais um exemplo do drama e da rapidez, típica de romance de novela, este tendo sido mais rápido do que o casal principal - o que acaba por ser engraçado já que o título original é Casi una Novela, o que na minha opinião está errado, é uma novela autêntica.

Apesar da média de classificações ser quatro no Goodreads, eu não consegui dar mais que duas, ao contrário dos outros romances que li da autora.

Desde a perda dos pais e o fim de um relacionamento complicado, Rebecca tem levado uma vida solitária. No entanto, quando esbarra em Pizza – uma cachorrinha abandonada que parece precisar tanto de afeto quanto ela –, a jovem pressente que sua vida está prestes a mudar. Paul Stone é campeão de Moto GP, e pai de Lorena, uma menina encantadora que ele cria sozinho. Administrar a carreira e a família não é um trabalho fácil, ainda mais quando as mulheres em seu redor parecem interessadas apenas no piloto famoso, e não no homem real. Quando os dois se esbarram – com uma ajudinha de Pizza e Lorena –, Paul tem certeza de que encontrou o que vinha procurando há muito tempo. Já Rebecca não está assim tão disposta a abrir espaço em sua vida para uma nova relação, mas como resistir à amizade, aos sorrisos e aos olhares de Paul?

Doce do Momento: "VIver Sem Ti" de Jojo Moyes






Mais uma vez lá me desvio da minha Fila.

Como seguir em frente depois de se perder a pessoa amada?
Como construir uma vida que valha a pena ser vivida?
Louisa Clark já não é uma jovem banal a viver uma vida banal. O tempo que passou com Will Traynor transformou-a, sendo agora uma pessoa diferente que tem de enfrentar a vida sem ele. Quando um insólito acidente obriga Lou a regressar a casa dos pais, é impossível não sentir que está de volta ao ponto de partida.
Lou sabe que precisa de um empurrão que a traga de novo à vida. E é assim que acaba por ir parar ao grupo de apoio Seguir em Frente, cujos membros partilham sentimentos, alegrias, frustrações e bolos intragáveis. Serão também eles que a levarão até Sam Fielding – um paramédico que trabalha entre a vida e a morte, e o único homem que talvez seja capaz de a compreender.
Mas eis que uma personagem do passado de Will surge de repente e lhe altera todos os planos, lançando-a num futuro muito diferente…. Para Lou Clark, a vida depois de Will Traynor significa reaprender a apaixonar-se, com todos os riscos que isso implica.

Origem: "Beautiful Beast" de Aubrey Irons


Mais outra encontrada por acaso. Este modelo aparece em imensas capas.



Encontra as Diferenças: "Fighting for Love", "Without You" e "Deixar-te Levar"


Actualização do post anterior.


A Sair do Forno: ''O Pântano dos Sacríficios'' de Susanne Jansson




Em tempos, realizavam-se oferendas humanas em pântanos.
Agora, há pessoas a desaparecer…
Crê-se que antigamente os pântanos eram usados como locais onde se realizavam sacrifícios humanos. Por serem pobres em oxigénio, estes terrenos atrasavam o processo de decomposição dos corpos, levando à sua preservação. Há por isso quem acredite que as almas lá enterradas não conseguem encontrar descanso, atraindo até si novas vítimas.
Nathalie Nordström é uma jovem bióloga que se desloca até a um pântano no norte da Suécia para realizar uma experiência de campo. Nathalie cresceu naquela zona, mas partiu quando uma terrível tragédia se abateu sobre a sua família.
Numa noite de tempestade, um mau pressentimento leva-a até ao pântano. Lá encontra um homem inconsciente, prestes a afundar-se. A polícia começa a investigar o caso e acaba por encontrar cadáveres ali enterrados.
Estará o pântano a reclamar mais sacrifícios, como alguns habitantes locais acreditam?

Sai dia 6 de Junho 

Chegou à Despensa: ''O Pântano dos Sacrifícios'' de Susanne Jansson




Chegou ontem, embora só tenha ido hoje ao correio! Ehehe

Adorei o kit e a capa está um must com as moedas coladas. De resto a edição segue o padrão dos outros exemplares de avanço da Topseller.

Nós por aqui adoramos estes mimos, portanto obrigada Topseller. 

Pilha Cerebral: "Mês de fartura"


Ainda eu me queixei de Fevereiro!
Aqui fica a minha pilha de aquisições de Abril... livros mil (e ainda foram poucos).

Chegou à Despensa: "Uma Nova Esperança" de Colleen Hoover


 O primeiro da colecção de Colleen Hoover em papel depois de ter lido quase todos os ebooks. Só falta a editora trazer a autora cá para ficarem autografados.


Opinião Sobrenatural: ''Os Humanos'' de Matt Haig

No ano passado li um livro deste autor e embora não tenha ficado fã, a capa deste novo livro juntamente com a sinopse intrigante, deixaram-me curiosa em dar outra oportunidade a Matt Haig.

39715980A premissa do livro é interessante: tal como achamos que tudo o que não seja de raça humana ou animal é um alien, os povos de outros planetas também pensam o mesmo de nós. Aqui temos a visita de um E.T que chegou à terra na forma de um professor, Andrew Martin. Foi-lhe incumbido um plano e o seu desejo é cumpri-lo ao máximo e voltar para o seu planeta o mais depressa possível. O problema é quando Andrew começa a criar laços de afecto e relações com outros humanos e começa a questionar a sua missão no planeta Terra. 

''Os Humanos'' foi uma óptima surpresa. Primeiro por todo o seu ambiente e devido muito aos pensamentos e comportamentos do protagonista. Andrew Martin não entende os humanos. Não entende como conseguimos andar vestidos, o que comemos, os nossos passatempos. Sente-se repugnado por tudo o que fazemos e acha a raça humana inferior. Ele vem à Terra com um plano mas esse plano não nós é logo dito, embora o leitor deduza que seja algo como dizimar os humanos. 
O choque de Andrew com a nossa comunidade é bastante engraçado e sério ao mesmo tempo. O autor foi inteligente em tocar em vários aspectos da nossa sociedade e em fazer um crítica. Algumas críticas são mais claras (como uma sátira), outras lêem-se nas entrelinhas mas tudo ajudou a simpatizar mais com Andrew. A relação deste com a família também é interessante, especialmente mais para o fim, quando Andrew começa a ter consciência das suas atitudes e dos seus sentimentos. 

É um livro que não se pode falar mais do que isto, porque é tão imprevisível que se contar mais, estraga a leitura. Posso dizer que gostei mais deste do que o anterior e que mesmo que não gostem deste género de livros, se apreciam livros com um toque sério mas também de humor, este livro é ideal para vocês. 


E se a terra fosse o planeta mais absurdo do universo?
O professor Andrew Martin, génio matemático, acaba de descobrir a chave para os maiores mistérios do Universo. Ninguém sabe do salto que isto representará para a Humanidade? exceto seres evoluídos de outro planeta.
Determinados a impedir que esta revelação caia nas mãos de uma espécie tão primitiva quanto os humanos, estes seres enviam um emissário para destruir as provas. E é assim que um alien intruso, completamente alheio aos costumes, chega à Terra. Rapidamente, ele descobre que os humanos são horrendos e têm hábitos ridículos ? comida dentro de embalagens, corpos dentro de roupas e indiferença por trás de sorrisos? Esta espécie não faz sentido!
Durante a sua missão, sob a pele e identidade de Andrew Martin, este alien sente-se perdido e odeia todos os terráqueos. Exceto, talvez, Newton, um cão. Contudo, quanto mais se envolve com os que o rodeiam mais fica a perceber de amor, perda, família; e de repente está contagiado: será que afinal há qualquer coisa de extraordinário na imperfeição humana?