23 de novembro de 2017

Origem: "Harp's Song" de Cassie Shine



Por esta altura, esta modelo deve estar rica.


A Sair do Forno: ''Mais Negro'' de E.L. James





A Lua de Papel acaba de anunciar que ''Mais Negro'' de E.L.James sai a 7 de Dezembro em Portugal.

Este livro segue a visão de Christian Grey dos acontecimentos do 2º livro. 

A Entrar no Forno: ''Minha vida fora de série - 4ª Temporada'' de Paula Pimenta em Janeiro de 2018



35491095


Hoje trazemos a notícia que irá alegrar os fãs desta autora brasileira.

A Editorial Presença confirmou o 4º volume desta série e o lançamento está quase aí! Previsão para dia 17 de Janeiro de 2018! 

Fiquem com a sinopse original que poderá conter spoilers para quem não leu os livros anteriores:
Após um traumático término de namoro, Rodrigo e Priscila seguem seus caminhos separadamente. Enquanto ela parte rumo à Nova York para tentar uma nova vida, Rodrigo quer esquecer tudo que passou e viaja para o Canadá, onde encontra os irmãos. Mas algumas lembranças são difíceis de apagar, e deixá-las para trás é muito mais complicado do que ele poderia imaginar.
Será que novos amores teriam o poder de curar seu coração? Ou ele precisa confrontar de vez o passado para finalmente se libertar?
Descubra nesta nova e emocionante temporada de "Minha vida fora de série".


Continuação de:

Podem ler a minha opinião do 1º e 2º livro, clicando na primeira capa!

A Sair do Forno: 'Uma vida muito boa'' de J.K. Rowling





A 6 de Dezembro a Editorial Presença publica em livro o discurso que J.K. Rowling deu na Universidade de Harvard em 2008. 


21 de novembro de 2017

Doce do Momento/Opinião: ''A Queda de um Anjo'' de Afonso Cruz


16134210

Este pequeno conto do Afonso Cruz tem 12 páginas e lê-se em 5 minutos portanto dispensa de 2 posts separados.

Aqui vai a minha pequena opinião.
Nunca tinha lido nada deste autor mas tinha muita curiosidade e ao longo destes últimos anos fui acumulando pequenos contos e livros do autor no meu e-reader. Decidi estrear-me com este conto digital do Diário de Notícias e que estreia mais maravilhosa. 

Uma octogenária descontente com o Paraíso, pois não tem junto a si a pessoa que mais ama, decide viajar para o Inferno. Para ela, o Paraíso pode ser infernal e, ao contrário, o Inferno poderá ser uma fonte de felicidade.

É um conto que começa (pensamos nós) com uma idosa, no Paraíso, rodeada de anjos mas sem encontrar o seu marido. Decide então descer até ao Inferno pois tem a certeza que lá irá encontrá-lo, pois marido e mulher devem estar juntos, até na morte. Assim começa a sua passagem do Paraíso até ao Inferno, onde vai relatando pequenos pedaços da sua vida matrimonial e pessoal. O fim é inesperado e dá uma visão totalmente nova ao conto. 
Só este final e a imaginação do autor provam que tenho de ler mais de Afonso Cruz porque se consegue criar algo tão bom em 12 páginas nem quero imaginar como será ler um livro inteiro deste autor! Fiquei mesmo fã.  5 estrelas. 

18 de novembro de 2017

Chegou à Despensa: ''Without Merit'' de Colleen Hoover





Como tenho comprado muito pouca coisa, venho aqui mostrar mais uma aquisição de Outubro que já chegou há umas boas semanas.

Este hardcover custou-me uns bons 20€. Ainda estive em dúvida para comprar pois não estou habituada a dar tanto dinheiro por um livro mas é Colleen e portanto acho que vai ser bom.

É um livro muito bonito e adoro a conjugação do branco com o rosa. Se não conseguir ler em Dezembro, fica para Janeiro do próximo ano! 

Encontra as Diferenças: ''Saudade'' e ''Only Beloved''



Em tons azuis ou rosa? 

Only Beloved par [Balogh, Mary]Resultado de imagem para Saudade" de Linda Holeman

Opinião Young-Adult: ''The Hate U Give/O Ódio que Semeias'' de Angie Thomas



Lançado em Setembro pela Editorial Presença, ''O Ódio que Semeias'' é um livro obrigatório que nos dá uma chapada na cara e acorda-nos para uma realidade actual.

Este era um dos livros que eu mais tinha expectativa. Para além das boas opiniões de fora, era um livro que eu sabia que iria ser algo único, do qual eu nunca tinha lido nada semelhante. Não me enganei. Acreditem que não é cliché quando digo isto, é mesmo a mais pura verdade. Não é comum ler livros escritos por autores negros. Aliás, assim de repente, só me lembro da Dorothy Koomson e da Nicola Yoon. A Dorothy tem sempre personagens negras mas mas escreve livros mais adultos. Este é um YA, virado para os jovens e com potencial para abrir muitos olhos e mentalidades e poder mudar um bocado a visão de quem um dia irá governar este mundo.

Hoje em dia lidamos com demasiado ódio em todo o lado: é ataques terroristas, é guerras, é crises políticas entre o Ocidente e o Oriente, é refugiados. Ainda assim, como não nos afecta directamente, parece que continuamos a dormir ou de olhos fechados. Este livro tem a capacidade de acordar-nos um pouco. Não tem a solução para todos estes problemas mas pelo menos serve para consciencializar a maneira como o ódio, o racismo e as desigualdades sociais ainda estão tão presentes hoje em dia. 

O tema do livro é a o assassinato de um jovem, Khalil, e a testemunha de Starr, a nossa protagonista. Inspirado em eventos semelhantes que ocorreram há pouco mais de 2 anos nos USA, ''O Ódio que Semeias'' levanta muitas questões. É um livro forte, com bastantes alusões a hábitos, expressões,  influências e referências destas comunidades, como por exemplo Tupac, uma das inspirações deste livro e autor de uma parte do  título original: ''THUGLIFE'' que significa The Hate U Give Little Infants Fuck Everbody

Através da visão desta adolescente de 16 anos, conseguimos entender bem o que é a injustiça. O que é sentirmos-nos impotentes perante uma sociedade que despreza se a cor da tua pele for escura. É um livro que revela que mostra bem que ''white privilege is real'', ou seja por mais que digam, quem é branco tem privilégios que muitos não tem, mesmo que se insista que há igualdade social. Tudo isto não passa-se só na América mas no mundo inteiro. 

Esta dualidade é nos dada em primeira pessoa pela Starr, vive num bairro que é o seu mundo, onde pode ser quem é, mas que não é reconhecida além de ''ser filha do dono da mercearia''. Depois temos a Starr da escola onde frequenta, uma escola onde são quase todos brancos. Ali, Starr sabe que não deve falar demasiado alto, tem de comportar-se de uma demasiada maneira. Mas ali é popular, é conhecida e acarinhada pelas amigas, professores e pelo namorado que é branco. Vive numa crise constante por nunca conseguir ser a Star verdadeira, por nunca conseguir misturar os seus dois mundos.


Embora a morte de Khalid seja o tema recorrente ao longo do livro, a evolução da Starr é o grande trunfo do mesmo. Começamos com uma Starr assustada e abalada para uma Starr rebelde que procura justiça e não descansa enquanto não a tiver. 

Seria injusto mencionar só o papel da Starr quando todo o núcleo de personagens secundárias é tão forte e improtante quanto ela. A família da Starr é magnífica e até os criminosos do bairro são importantes na história. Talvez o único ponto fraco do livro tenha sido a história das amigas, especialmente a Haley que irritou-me profundamente. Tirando isso, mais nada me incomodou no livro, até o romance é bom, especialmente pelo facto da Starr ser negra o namorado não e como isso também afecta a comunidade afro. 

Gostei imenso deste livro, para mim está no top de livros de 2017. Aconselho a toda a gente, acho que todos podemos aprender um bocadinho com este livro. A autora está de parabéns pelo seu trabalho de estreia e a fasquia para o próximo livro está elevadíssima! 


Starr tem 16 anos e move-se entre dois mundos: o seu bairro periférico e problemático, habitado por negros como ela, e a escola que frequenta numa elegante zona residencial de brancos.
O frágil equilíbrio entre estas duas realidades é quebrado quando Starr se torna a única testemunha do disparo fatal de um polícia contra Khalil, o seu melhor amigo.
A partir daí, pairam sobre Starr ameaças de morte: tudo o que ela disser acerca do crime que presenciou pode ser usado a seu favor por uns, mas sobretudo como arma por outros.
Um poderoso romance juvenil, inspirado pelo movimento Black Lives Matter e pela luta contra a discriminação e a violência.



16 de novembro de 2017

Doce do Momento: "A Mulher do Camarote 10" de Ruth Ware




Já o comecei a ler há alguns dias, mas só agora consegui vir aqui.

Uma jornalista faz a cobertura da viagem inaugural de um cruzeiro de luxo. O que parecia uma grande oportunidade profissional revela-se um pesadelo quando ela testemunha um possível crime no camarote ao lado do seu. Porém, para sua surpresa, todos os passageiros continuam a bordo. Não falta ninguém e ninguém pode sair do navio…

Passatempo: "O Milésimo Andar" de Katharine McGee



Como prometido, passados 15 dias cá está outro prontinho a ser sorteado e enviado para o novo dono.
Quem quer esta distopia??


Para se habilitarem a ganhar:
- enviar email para algodaodoceparaocerebroblog@gmail.com
- com nome e morada completa
- link de partilha do Facebook
- com o título do passatempo no assunto do email
- só é válida uma participação por pessoa
- e só podem participar até 30/11/2017

Boa Sorte!!!

A Entrar no Forno: ''Only Child'' de Rhiannon Navin

36445985

Hoje apresentamos mais um lançamento de 2018, desta vez pela parte da HarperCollins. Esta é a estreia da autora Rhiannon Navin que nasceu na Alemanha.
Fiquem com a sinopse deste livrinho.

Perfeito para os fãs de ''O Quarto de Jack'' e ''As Raparigas''.

Zach Taylor, de sete anos, está escondido dentro do armário da sua sala de aula, com o seu professor e os colegas, durante um tiroteio. Zach sobrevive mas o seu irmão mais velho, Andy, morre. A pessoa responsável pelo seu assassinato é o filho de Charlie, o segurança da escola há anos e acarinhado por todos.
Após o tiroteio, a comunidade onde vivem está devastada. Lidando com o luto de uma maneira diferente, o pai de Zach ausenta-se enquanto a  mãe procura justiça e vingança pela morte do filho. Zach refugia-se no seu esconderijo secreto e perde-se no mundo de livros e desenhos.
Por fim será Zach quem mostrará o caminho a seguir, algo que por vezes, só apenas uma criança o pode fazer. 

Gostaram? Vão querer ler quando sair cá?

Opinião Young-Adult: ''O Sol Também é Uma Estrela'' de Nicola Yoon



Da mesma autora de ''Tudo, tudo e nós'' que eu adorei mas a Ne já não gostou tanto, li em Agosto o ''O Sol Também é Uma Estrela'' que saiu agora em Portugal.

Wook.pt - O Sol Também é Uma EstrelaO livro conta a história da Natasha, uma jovem de 16 anos que aos 8 anos se mudou com a família para os Estados Unidos. O pai, que tinha o sonho de se tornar num actor, veio primeiro para os USA e passado uns anos, a restante família da Natasha (ela e a mãe) seguiram os passos do pai, sendo que o irmão mais novo já nasceu com cidadania americana. O que acontece é que tanto a Natasha como os restantes familiares são emigrantes ilegais e estão em vias de serem deportados, portanto o livro começa no último dia de Natasha na América, tentando apelar aos serviços de migração para que não seja deportada.

Numa dessas reuniões com um advogado ela conhece Daniel, filho de pais coreanos e que já tem toda a vida planeada (pelos pais claro). Com uma educação rigorosa, os pais de Daniel sonham que ele torne-se um médico e entre para as melhores faculdades do país, Claro que não é nada disto que Daniel ambiciona, sendo que o ele realmente quer fazer da vida é ser poeta, algo inaceitável para os pais.

Quando Daniel e Natasha encontram-se pela primeira vez, não temos aqui o típico amor a primeira vista (e ainda bem). O que achei curioso neste livro é o Daniel ser todo sonhador e romântico (daí querer ser poeta) e a Natasha (talvez pela situação em que se encontra) não tem tempo para romances e é muito mais pragmática e ''resolvida da vida'', até porque é ela que tenta com que a família não seja deportada, enquanto a mãe dela já aceitou o destino de serem expulsos do país.

O livro é contado não só pelo ponto de vista da Natasha e do Daniel mas também pelo ponto de vista de todas as pessoas com quem eles se cruzam, desde a segurança da embaixada dos USA, até ao advogado, Não são pontos de vista muito longos e a maior parte nem passa de um capítulo, apenas ficamos com a visão de todas as pessoas a quem a vida de Natasha e Daniel tocaram naquele dia. Gostei bastante deste detalhe, como o livro se passa num só dia, conseguimos ter uma visão global de tudo. Há até uma personagem e um momento que são depois muito importantes no final do livro. Quantas vezes já não andámos na rua e olhámos para uma certa pessoa e imaginámos como seria a sua vida? Aqui a autora faz isso e adorei este outro lado da história. 

Todos estes pequenos pontos de vista também mostram uma filosofia do livro: a do universo (e daí o título). Aqui acabamos por reflectir que todas as nossas acções tem uma consequência e pode não ser directamente na nossa vida, mas pode influenciar a vida de alguém.

O romance também incita a reflexão de um amor racial entre uma negra e um asiático. Gostei disso e das questões que a autora levanta. 
Acho que ainda assim o mais importante aqui é o assunto da emigração da Natasha, de como ela se sente americana, porque desde os 8 anos que só conhece esta cultura e não tem muitas lembranças da sua vida anterior,embora por lei ela seja jamaicana. Faz-nos pensar realmente o que é afinal a nossa nacionalidade, aquela que está escrita num papel ou aquela que sempre conhecemos. 

Apesar de ser um romance (tal como o outro livro da autora) achei este segundo livro muito melhor, aborda muitos temas e passa muitas mensagens, para não falar das características das personagens que são bem diferentes dos típicos livros young-adult contemporaneos. 

Tendo já lido todos os livros desta autora, é esperar que ela escreva mais algum pois sem dúvida que quero ler mais coisas de Nicola Yoon.

A história de uma rapariga, um rapaz e o universo.
Natasha: Sou uma rapariga que acredita na ciência e nos factos. Não acredito no destino. Ou nos sonhos que nunca se concretizam. Não sou de todo aquele tipo de rapariga que encontra um rapaz simpático numa rua nova-iorquina cheia de gente e se apaixona por ele. Não quando a minha família está a doze horas de ser deportada para a Jamaica. Apaixonar-me por ele não será a minha história.

Daniel: Sou o bom filho, o bom estudante, correspondendo sempre às elevadas expectativas dos meus pais. Nunca fui o poeta. Ou o sonhador. Mas quando a vejo, esqueço tudo isso. Algo em Natasha faz-me pensar que o destino nos reserva, a ambos, alguma coisa muito mais extraordinária.

O universo: Cada momento das nossas vidas conduziu-nos a este momento único. Há um milhão de futuros perante nós. Qual deles se tornará realidade?


15 de novembro de 2017

Doce do Momento/Ponto da Situação: ''After 1'' de Anna Todd



Finalmente comecei a ler esta série depois de pensar bem se realmente queria ler ou não.

Ouvi muitas opiniões positivas mas também muitas opiniões negativas e bem, está a acontecer aqui que já esperava. O livro é viciante e muito fácil de ler, diria mesmo que 80% do livro são diálogos mas a história é desgastante e anda no enrola e não desenrola! 


Já passei mais de meio (o 1º livro e quase todos os outros tem mais de 500 páginas). Comecei a ler ontem e hoje já vou quase na página 400. Como vos disse lê-se bem mas percebe-se que é uma fanfiction e pior de tudo é que muita coisa devia ter sido cortada. A autora descreve tudo, mesmo acções que não interessam nem ao menino Jesus tipo e passo a citar: ''Depois de uma pausa na sanita, (...)''. WTF. Porque raio é preciso dizer que a personagem foi ao wc? o_o

Digo a sério que este livro com uma edição mesmo bem feita nem chegaria a 300 páginas. Acho que hoje não devo pegar-lhe mais, preciso de descansar a minha cabeça deste casal tóxico. 

Fui ler reviews do 2º livro e para piorar, quem adorou este primeiro não gostou tanto do segundo. Estou feita!! 


Encontra as Diferenças: "Meant to Be" e "Take Me Home Tonight"


E não, ainda não acabou. Há mais capas...



14 de novembro de 2017

Origem: "Kiro's Emily" de Abbi Glines





Continuamos com as origens de livros em inglês e encontrámos esta da Abbi Glines. 
Young couple on beach, close up : Foto de stock

A Sair do Forno: ''O mapa que me leva até ti'' de J.P. Monninger





Às vezes, uma troca de olhares pode ser o princípio do resto da tua vida.

Heather já acabou os estudos e está prestes a aceitar uma proposta de emprego num grande banco em Manhattan. Antes disso, no entanto, decide fazer uma viagem de comboio pela Europa com as amigas. Umas férias merecidas, antes de começar a vida adulta.
Até aqui, tudo normal, certo?
Mas quando um rapaz chamado Jack lhe pede licença e trepa pelo seu assento no comboio para se deitar a dormir no compartimento de bagagens, Heather percebe que esta viagem talvez não vá ser tão normal assim. Chegados a Amesterdão, já são inseparáveis.
Enquanto descobrem os canais da cidade holandesa, Jack partilha com Heather os motivos da sua viagem. Tem um velho diário, do seu avô, que refere todos os sítios aonde quer ir.
O casal, juntamente com uma série de amigos, vai acabar por percorrer o itinerário do avô de Jack o melhor que pode.
Mas será que Jack está a contar a Heather tudo sobre o seu passado? E será o encanto do velho continente suficiente para cimentar um amor que apareceu do nada?
Um romance enternecedor, que vai derreter até os corações mais resistentes. Se gosta de histórias de amor e tem uma paixão por viajar, este livro é para si.

Sai dia 27 de Novembro 

11 de novembro de 2017

Opinião Young-Adult: ''Geek Girl - De Saltos Altos'' de Holly Smale



Passado quase um ano, a Porto Editora lança mais um livro desta série que eu gosto bastante mas infelizmente vejo pouquíssimas pessoas a lerem e a comentarem. Só espero que isto não signifique mais uma série a meio em Portugal. Ainda falta sair mais 3 volumes.
Apesar de ter lido o 2º livro há quase um ano (li em Dezembro de 2016) ainda me lembrava de bastantes coisas do livro anterior, especialmente o final. Mas se não lembrarem-se, não faz mal porque a autora meio que recapitula o que aconteceu, o que é bom para quem lê a série tão espaçadamente.

Temos aqui a nossa querida Harriet de volta ao mundo normal dos jovens adolescentes. Despedida da designer Yuka Ito, desde que regressou do Japão que não recebe nenhum trabalho como modelo e nem a sua agência parece lembrar-se dela. 
Convicta que vai passar o próximo verão com a sua melhor amiga e às mensagens com o seu namorado, Harriet não tem muito com que se preocupar, até que a sua família diz-lhe que vão viver para Nova York! 
A mudança do cenário de Inglaterra para o outro lado do Atlântico foi muito boa, apesar de ser uma mudança curta. O engraçado é que a autora explora vários países ao longo da série, o segundo livro foi passado em grande parte do Japão e agora temos o lado americano. 
Claro que aventuras não vão faltar à nossa geek preferida. Mal chega a solo americano, percebe que não consegue integrar-se tão facilmente como pensava e para piorar, parece que o seu namorado e a sua melhor amiga estão demasiado ocupados com as suas vidas e já a esqueceram. Além disso, Harriet não vai bem para Nova York....portanto o seu sonho de morar num prédio com porteiro e no coração da cidade como nos filmes, vai por água abaixo! 
Nem tudo vai ser mau, pois temos o regresso do Wilbur que arranja um novo trabalho para a nossa modelo preferida e mesmo contra a vontade dos pais, Harriet não resiste em entrar novamente no mundo louco da moda. Claro que isto irá trazer muitos problemas e muito drama mas também muita aprendizagem para a nossa nerd. 

Este terceiro volume continua o mesmo nível dos anteriores. Estes livros lêem-se que é uma maravilha e apesar de serem para uma faixa etária bem abaixo da minha idade, consigo divertir-me com eles e principalmente tirar partido das lições que está série traz. Embora pareça que todos os livros sejam um poucos parecidos - e é verdade - aqui o que importa é a evolução da Harriet, mesmo que pareça que no início de cada livro volte à estaca zero em termos de auto-confiança. Temos um exemplo aqui, com a nova tutora da Harriet, que duvida que ela seja assim tão inteligente, mesmo que a própria Harriet saiba que o é, duvida sempre das suas capacidades devido aos comentários alheios. 
Em termos de romance, Harriet e Nick lá terão os seus problemas mas as cenas em que estão bem são fofinhas. 

Mais um livro desta série aprovado, são livros ideais para adolescentes a partir dos 13 anos. Apesar de ter a opção de continuar com a série em inglês, tenho gostado do trabalho da tradução em português, portanto vou esperar pelo 4º livro na minha língua. 

Harriet Manners sabe que:
• Nova Iorque é a cidade mais populosa dos Estados Unidos.
• 27% dos americanos acreditam que nunca aterrámos na lua.
Mas não faz ideia de como a família irá lidar com a vida nos arrabaldes
da cidade. Ou como se "tornar uma marca", como dizem as modelos que
vai conhecendo. E, mais importante ainda, não sabe como gerir os gestos
românticos que lhe chegam de outra pessoa que não o namorado...
Será que é desta que a nossa geek girl abusa da sorte?

Opiniões dos outros livros da série:

10 de novembro de 2017

A Entrar no Forno: "The Boy at the Door" de Alex Dahl



Com o ano a acabar, os nossos olhos viram-se para os lançamentos de 2018 e já temos muita coisa boa para vos mostrar. Não sei se são as nossas antenas que estão viradas para os thrillers mas é dentro deste género que temos mais coisinhas para vos mostrar...2018 promete ser um ano com muito suspense! 

O 1º é esta estreia da autora Alex Dahl, metade americana, metade norueguesa, onde aliás nasceu. Já tem um livro publicado mas vai ser com este que conseguiremos ler alguma coisa desta autora em português. Apresentamos-vos: ''The Boy at the Door'' que só sai lá fora em Maio de 2018 mas já foi pescado para tradução pela Planeta.

Em Sandefjord temos tudo. Ou melhor...não temos nada - é esse o meu ponto. Não temos nada de indesejável que torna a vida tão desagradável em muitos lugares: poluição, pobreza, crises de propriedade, crime excessivo, questões de imigração...poderia continuar. Este não é o tipo de lugar onde meninos aparecem do nada, com olhos vazios, sem pais e nada além de uma bolsa de plástico com um par de calções de banho do Batman e uma toalha azul bébé desgastada. Sandefjord não é esse tipo de lugar. Não era.
Uma cidade escandinava pacífica e rica onde nada de mal alguma vez aconteceu. Uma rede de mentiras tão densa que é quase impenetrável. Uma prostituta viciada em heroína. flutuando num mar gelado. Mas Cecília é realmente uma mãe assim tão respeitável? E o pequeno Tobias será assim tão inocente quanto parece? E se decisões terríveis, negligencias e até mortes escondessem-se atrás das fachadas perfeitas de Sandefjord?

Encontra as Diferenças: ''A Boa Filha'' e ''Before He Covets''



Iguaizinhas! 

A boa filha (HarperCollins) (Portuguese Edition) by [Slaughter, Karin]32495725